Emicida faz referência a Criolo na capa do single “AmarElo”

unnamed (7).jpg

Emicida anunciou o nome e a data de lançamento do seu próximo single. Gravada com a participação de Pabllo Vittar e Majur, a música “AmarElo” chega nas plataformas no dia 25 de junho (terça-feira). O videoclipe, registrado no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, também ficará disponível no YouTube do rapper paulista.

Agora, Emicida apresenta a capa do single, que faz uma referência à capa do álbum Ainda Há Tempo, lançado por Criolo em 2006.
Continuar lendo “Emicida faz referência a Criolo na capa do single “AmarElo””

Festival Bananada 2019 anuncia as primeiras atrações

Nomes como Criolo, Tulipa Ruiz & João Donato, Felipe Cordeiro, Paus (Portugal) e Frente Cumbieiro (Colômbia) se apresentam no evento entre os dias 12 e 18 de agosto, em Goiânia (GO)

41516679_1993763010684967_1368558815967969280_o.jpg

Janela expoente para a nova cara da música brasileira e que atravessa duas décadas de produção efervescente no Brasil Central, o Festival Bananada chega à sua 21ª edição de olho na novidade. Com uma nova data, entre os dias 12 e 18 de agosto, em Goiânia (GO), o evento divulga as primeiras atrações confirmadas no festival. A edição 2019 não têm incentivos públicos, mas conta com a parceria da Red Bull e patrocínio da Natura Musical, Cerveja Devassa e da TV Anhanguera.

Continuar lendo “Festival Bananada 2019 anuncia as primeiras atrações”

Criolo leva o “Espiral de Ilusão” pro Citibank Hall

unnamed.jpg

Em abril, o consagrado rapper Criolo realizou um sonho e, ao mesmo tempo, se aventurou em outros gêneros: lançou um disco de samba. “Espiral de Ilusão” apresenta dez faixas, que remetem ao cenário clássico do ritmo, sem deixar de lado a essência das letras do artista que misturam amor, realidade do povo e causas sociais. E é bem verdade que em “Nó Na Orelha”, que fez o paulistano estourar em 2011, já tinha algumas apostas nesse universo, como fica claro em “Linha de Frente”, por exemplo.

Continuar lendo “Criolo leva o “Espiral de Ilusão” pro Citibank Hall”

Virada Cultural

aea84f48174a56859bc7b6478f4fd282.jpg

Se você mora em São Paulo, com certeza, já deve ter ouvido falar da Virada Cultural. 24 horas de muitas atrações recheadas de arte espalhadas por toda a cidade. E o melhor? Tudo de graça! A programação é gigante e tem programas para todos os gostos. Se quiser conferir todas as possibilidades, clique aqui. Mas eu já adianto que para você curtir da melhor forma, o ideal é fazer uma listinha com as apresentações, horários e locais. Assim você não perde nada. Eu já fiz a minha lista, mas amanhã darei mais dicas para aproveitar o que há de melhor nesse final de semana. Enquanto isso, confere aí a minha agenda.

Sexta

21h – A Merda – Teatro – Parlapatões Palco Júlio Prestes

Sábado

18h – Ney Matogrosso (Júlio Prestes)

18h – Gilberto Gil – Aquele Abraço (Palco Vale do Anhangabaú) – Ainda não me decidi entre esses dois.

22h – Valesca Popozuda (Palco São João)

23h59 – Elza Soares (Palco São João)

02h – Céu (Palco São João)

Domingo

08h – Clarice Falcão (Palco São João)

12h – Discopédia Praça Alfredo Issa (Luz)

15h – Criolo (Júlio Prestes)

17h – Maria Rita (Palco São João)

18h – Nação Zumbi (Júlio Prestes)

SummerStage leva Criolo e seu rap para o Cine Joia

IMG_20140201_013143

Quando o mais o queridinho do rap brasileiro anunciou dois dias de show em São Paulo, a vontade de ir explodiu, mas claro que não pude deixar de pensar que após ver cerca de dez apresentações do mesmo disco, a receita seria a mesma. Entretanto, mal sabia eu, que aquela noite ainda iria surpreender e muito a todos os presentes.

A casa abriu às 22hrs e recepcionou os mais adiantados com hip hop tocando baixinho nas caixas do ambiente. Alguns grupos de fãs já se acomodavam bem próximos ao palco, onde seria mais fácil vê-lo e quem sabe até tocá-lo. Isso porque, a estrutura do Cine Joia – um antigo cinema localizado no bairro da Liberdade em Sampa– dá a possibilidade de o espectador enxergar o artista, mesmo quando se está ao fim da multidão. Por volta da 1h da manhã, o palco que estava decorado com algumas peças gigantes de dominó – alusão a Duas de Cinco,  músicas inéditas lançadas em meados de outubro de 2013 – recebe DJ Dan Dan e Criolo, acompanhados de uma banda. Isso mesmo, a primeira grande diferença entre Kleber Cavalcante, nome de registro, e os demais colegas de profissão é que ele não se contenta só com a picape, pois por onde vai, leva a seguinte trupe: Daniel Ganjamn  nos teclados e programação eletrônica; Marcelo Cabral  no baixo; Guilherme Held  na guitarra; Maurício Badé  na percussão; Sérgio Machado na bateria e do fiel escudeiro DJ Dan Dan  que intercala entre voz e picape.

Apesar de seus beats mais lentos que o rap feito pelos Racionais, por exemplo, o protesto está presente na maioria de suas letras. E isso já fica bem evidente em Duas de Cinco, a primeira música da noite: “E a cada mil metros alguém morre de frio. E a cada cem metros alguém morre ferido. E a cada dez metros alguém conta o lixo. E a cada segundo uma revolta por tudo isso”, diz a canção carregada. Fazendo jus a boa fama de sua educação, o músico e compositor cumprimentou a plateia com um “boa noite” e seguiu Subirudoistiozin e É O Teste. Antes de dar continuidade com Freguês da Meia Noite, Criolo cobriu a cabeça com uma espécie de manto que trazia sobre as costas e disse: “Quanta coisa pode acontecer debaixo de um pedaço de pano”, incitando os fãs. O grande destaque ficou para Não Existe Amor Em SP, single que o consagrou como artista em 2011. Ao final, como forma de agradecer, se abaixou em reverência ao coro formado no refrão.

Algo singular de se observar durante as performances do rapaz é o modo como ele se entrega. Ele passa a maior parte do show com os olhos fechados, não para um minuto no palco e canta de corpo e alma. Logo após, Lion Man, Demorô e Linha de Frente, o rapper agradeceu o carinho daqueles que o admiram e disse que se não fossem pelas pessoas, ele nunca teria seguido com a carreira. Afinal, para quem não sabe, Criolo gravou o disco Nó Na Orelha com o intuito de guardar as suas últimas composições e se aposentar como MC. Porém, quando o trabalho estourou, foi impossível parar de cantar para a multidão que o segue por todo o canto do país – e fora dele também!

Ele ainda comentou sobre a diferença dessa geração, que movida à esperança e amor, podem e estão revolucionando o mundo. Isso porque, além de ser ativista das causas da periferia e de dar voz ao povo, ele também esteve presente em alguns dos protestos que aconteceram em julho na cidade paulistana. Depois, fechou com Bogotá. Mas claro, todos queriam mais, então eles voltaram para cantar Ainda Há Tempo e Vasilhame, que faz um protesto contra o governo que apoia o mercado de bebida alcoólica, mas proíbe as drogas de forma bruta. Depois de pedir para que as pessoas comparecerem à “biqueira cultural”, onde são vendidos camisetas e discos, DJ Dan Dan disse em alto e bom tom: “O amor vai salvar o mundo”. E foi com essa mensagem de paz que eles disseram tchau ao Cine Joia na sexta-feira, para retornar no dia seguinte e mexer com a vida de outras centenas de pessoas. É, realmente Criolo, o nó da tua orelha ainda dói em mim.