Vem ver “Decote”, o novo clipe da Preta Gil com participação da Pabllo Vittar

Vocês já ficaram sabendo do lacre da semana? É, se estamos falando nessa palavra, é certo que estamos falando de uma pessoa, não é mesmo?

giphy.gif

E se você tá achando pouco, não temos só uma diva. Temos logo duas! Isso mesmo, saiu “Decote“, clipe de Preta Gil com participação de Pabllo Vittar.

giphy (1).gif Continuar lendo “Vem ver “Decote”, o novo clipe da Preta Gil com participação da Pabllo Vittar”

Liniker e os Caramelows lançam videoclipe para “Sem Nome, Mas Com Endereço”

unnamed.jpg

A água é algo inspirador para Liniker e os Caramelows. No disco de estreia, “Remonta” (2016), a banda de Araraquara já havia evidenciado atração por tal elemento na música “BoxOkê”. Agora, o grupo mergulhou nas águas do Lago Paranoá, em Brasília, para gravar o videoclipe de “Sem Nome, Mas com Endereço”, que também integra o primeiro disco cheio da carreiraDirigido por Sabrina Duarte e com direção de arte de Mariana Rocha, o clipe inicia com um harmonioso som de líquido emendado com a sanfona de Marcelo Jeneci, que participou da música na versão de estúdio e também no registro audiovisual.

Escrita pela cantora e compositora Liniker, “Sem Nome, Mas com Endereço” fala daquelas paixões inevitáveis e incontroláveis. Em sua sonoridade há um primeiro momento mais etéreo, com um tempo mais fluído (com o piano elétrico e a safona sempre presentes). Em  seguida, vem uma quebra onde a banda entra com peso. No videoclipe, ambos trechos também contrastam: antes, com Liniker e Jeneci em takes delicados, sóbrios e contemplativos; depois, com uma desordem aquática encenada pelos Caramelows. São eles: Rafael Barone (baixo), Renata Éssis (backing vocal), William Zaharanszki(guitarra), Pericles Zuanon (bateria), Márcio Bortoloti (trombone e trompete), Fernando TRZ (teclados), Marja Nehme (percussão) e Eder Araújo(saxofone). “Além da alegria de gravar com Sabrina Duarte, o processo do clipe foi especial por termos trabalhado com uma equipe feminina de muita força, todas fazendo juntas”, conta Liniker. “Fora isso, ter o contato com a água trouxe toda canceriana que existe em mim à tona”, completa. O registro do clipe foi feito em maio deste ano, pouco antes da primeira turnê europeia da banda, que seguiu depois para Nova York. “Quando a Sabrina Duarte nos enviou a proposta, com testes lindos de fotografia e muita água, nos identificamos rapidamente”, diz o baixista Rafael Barone. E ainda se lembra dos bastidores: “O clima da gravação em Brasília foi mágico! Passamos dois dias incríveis nos divertindo muito e foi possível chegar a um resultado final bastante sensível”. “Sem Nome, Mas com Endereço” é a segunda faixa de Remonta, produzido por Marcio Arantes, a ganhar um videoclipe. Antes, Liniker e os Caramelows já haviam soltado o clipe de “Prendedor de Varal”.

Agradecimentos: Inker Agência Cultural

“Bem-te-vi”: Ekena abre o coração em clipe novo

unnamed (1).jpg
Foto: Gabriel Quintão

Vivências felizes, desilusões amorosas, bons e maus momentos de uma vida como ela realmente é. Previsto para ser lançado ainda este mês, “Nó’ (2017), o disco de estreia da cantora Ekena, é acima de tudo uma reflexão sobre dar, receber, aceitar, respeitar e agradecer. Escolhida como o segundo single do novo trabalho, a faixa “Bem-te-vi” ganhou um clipe inédito.

Repleto de cenas sensíveis e delicadas de interação e movimentos corporais, o vídeo é dirigido por Fernando Mira e Tiago Kuurtz. Com uma sonoridade suave e leve, a letra de “Bem-te-vi” é intensificada pelos movimentos soltos e experimentais das bailarinas Georgia Palomino e Suzane Rossan. Quem também divide sua calmaria é a Alma Negrot, artista que ficou reconhecida por trabalhar com expressões intuitivas através de maquiagens e performances e que busca a desconstrução de estereótipos relacionados à questão de gênero, levantando a bandeira da não-binariedade.

Continuar lendo ““Bem-te-vi”: Ekena abre o coração em clipe novo”

Rubel lança clipe e transforma sobrinho em videogame

4 - Rubel - Jonas Tucci (média).jpg

“BEN”, a música doce e cheia de conselhos escritos para o sobrinho de Rubel, acaba de ganhar clipe, feito em animação. “Quando ele nasceu, quis escrever uma espécie de carta de boas vindas ao mundo. A carta acabou virando essa música”, explica o cantautor. Continuar lendo “Rubel lança clipe e transforma sobrinho em videogame”

Circo de Marvin lança videoclipe para a faixa “Modo Hard”

circo-de-marvin-integrantes

Imagens, inspiradas no GTA, foram totalmente gravadas em Salvador (BA)

Há muito tempo os fãs do game mais popular do mundo vêm imaginando como seria se o GTA fosse no Brasil, mas a banda baiana Circo de Marvin levou a possibilidade para um outro nível.

No seu mais recente clipe, intitulado “Modo Hard”, os integrantes da banda saem pelas ruas de “Salvador City” atrás de um mafioso, dono de gravadora, que havia contratado o grupo esperando o novo sucesso do carnaval. Ao descobrir que, na verdade, o Circo de Marvin é uma banda de rock, ele provoca os integrantes a irem buscar o seu disco “à força”, e assim começa uma perseguição alucinante.

Continuar lendo “Circo de Marvin lança videoclipe para a faixa “Modo Hard””

Lobisomens à solta!

iguana-gun-foto
Foto por: Thiago Almeida

Banda paulista lança “Não Tem Como Dançar Assim”, clipe gravado com GoPro sob o olhar de uma criatura folclórica

A banda é nova, mas nem por isso, deixa a ousadia de lado. Pelo contrário, acredito que essa seja uma das palavras de ordem da Iguana Gun, que teve início em 2015, na cidade de São Paulo.  Kim Macedo (vocais e guitarra), André Lerro (Guitarra), Luan Pessanha (Baixo) e Fabio Marin (bateria) são amigos de infância, cresceram ouvindo as mesmas músicas e hoje se juntam para fazer um som de responsa.

O primeiro disco da carreira está por vir, mas antes disso os rapazes apresentam o “Não Tem Como Dançar Assim”, clipe dirigido por Vitor Keese, é um tanto irreverente. Junte uma câmera GoPro, um lobisomen e temos um vídeo gravado em primeira pessoa com nuances do trash bem evidentes.

“Tínhamos referências de textura e de filmagem de outros clipes, mas queríamos uma ideia original e engraçada”, alegam os meninos. A produção é assinada por Pedro Hernandes e pelos próprios integrantes. Além disso, conta com mix e master de Victor Adura. Tudo foi documentado em locais urbanos, como a pista de BMX de Carapicuíba, ruas, praças e muros da zona sul e oeste de São Paulo

A canção é composta por estrutura simples, versos dançantes e um refrão que é ao mesmo tempo agressivo e bem palatável. “Ela surgiu no último dia da pré-produção, de forma totalmente espontânea. Ao contrário de outras do álbum, partimos de pouca referência ou influência direta. Só queríamos fazer uma música que fosse ‘dançante’ e compusemos tudo coletivamente”, confidenciam. Os meninos acreditam ainda que, por ter sido pouco lapidada,  essa seja a canção mais sincera do álbum que vem por aí.

O grupo bebe da fonte de grandes ícones do rock, como Nine Inch Nails, Motörhead, The Clash, Black Sabbath e Kings of Leon, além de Queens of the Stone Age, especialmente álbuns como Lullabies to Paralyze e Era Vulgaris. Sobre o disco, o público pode esperar por um trabalho que prioriza o instrumental e não tem medo de propor arranjos pouco comuns no rock nacional. Além disso, diferente de alguns dos grandes destaques da cena independente atual, as letras são todas em português.

Clipe do dia: Prisma de Vivendo do Ócio

VDO SELVA MUNDO-2634-2000x.jpg“Prisma” é o primeiro vídeo do álbum lançado no ano passado, o “Selva Mundo” e traz participação de Lirinha

Com imagens captadas em São Paulo, “Prisma”, que segue uma linguagem misteriosa e lúdica, utiliza uma série de efeitos e sobreposições, além de lente caleidoscópio e recursos em 3D. A banda contou, também, com a participação especial de Lirinha – autor, junto com Jajá Cardoso, da letra composta para essa canção.

O primeiro vídeo do disco “Selva Mundo”, lançado em 2015, foi dirigido pelos irmãos Davide (guitarra) e Luca Bori (voz e baixo), ao lado de Iuri Nogueira. Durante as cenas, o prisma é representado por uma figura humana, vista em situações do dia a dia de uma grande cidade. “Prisma foi escrita baseada em um sonho que tive, em todas as visões eu era um objeto que fazia parte de uma vida inteira de uma casa, tudo mudava em ritmo acelerado, as pessoas, os móveis e eu continuava no mesmo lugar e na primeira visão eu era um tipo de prisma, uma pirâmide metálica girando num plano escuro”, explica o vocalista.