Bora curtir o carnaval?

carnaval-blog-as-gavas-bloquinhos-de-rua-carnaval-2015-folia-fantasias-6.jpg

Carnaval em São Paulo pretende levar centenas de pessoas às ruas em 2016

Para alguns ele já começou, mas aqui no NMP, o carnaval começa oficialmente amanhã. Há alguns anos, os bloquinhos de rua começaram a se popularizar novamente em São Paulo e agora a moda pegou: tem folia para todos os gostos e só não vale ficar parado.

Sobrevivência de fevereiro

Curtir essa festa é tudo de bom, mas alguns perrengues podem lhe aguardar no meio do caminho. Por isso, juntamente com os especialista da Kickoff – um aplicativo que lhe ajuda a encontrar um relacionamento sério – trouxe uma lista de dicas de como aproveitar da melhor forma e não perder o trio elétrico de vista.

° Que tal deixar o carro em casa? Além de muitas ruas estarem fechadas, será praticamente impossível achar um lugar bom pra estacionar seu veículo. Escolha o transporte público ou

Continuar lendo “Bora curtir o carnaval?”

PopPorn – muito além da putaria

10291847_690650007663869_6016808183973035405_n

Primeiro de tudo, gostaria de pedir desculpas pela demora em fazer esse post, mas o festival rolou entre os dias que aconteceu minha pré-banca (pra quem não sabe estou no 7º semestre de jornalismo) e por mais que meu grupo estivesse bem adiantado no trabalho, sempre resta uma pendência e outra para deixar tudo mais completo.

Mas enfim, vamos ao que interessa, afinal, o segundo dia de PopPorn veio cheio de atividades. A programação era bem extensa e tinha início às 14h, porém, com 1h hora de atraso, a porta da Trackers foi liberada para os primeiros participantes. Fui direto para o 3º andar participar do debate Famílias, modelos, estruturas e rupturas que falava sobre os novos modelos da estrutura familiar. Para desenvolver o assunto estavam presentes Suzy Capó, uma das idealizadoras do festival, lésbica e que hoje em dia, divide um apartamento com a companheira e a filha de 7 anos dela, fruto de outro casamento; Marina Pecoraro mãe solteira e ex-atriz de pornochanchada; Flávia Amorim e Diogo Batalha, que estão à frente do movimento Amor Livre, que é contra a monogamia compulsória; e a sexóloga Lelah Monteiro. O papo se manteve bem aberto e descontraído, apesar de poucos participantes, o assunto rendeu bastante, já que cada um tinha uma história diferente para dividir. Ao fim das trocas de experiências, saí de lá com outra visão sobre monogamia, “possessão” do ser amado e principalmente, sobre as distintas preferências de cada um. Um grande aprendizado.

Continuar lendo “PopPorn – muito além da putaria”

PopPorn tem abertura crua e visceral

10291847_690650007663869_6016808183973035405_n

 

Festival safadinho acontece em São Paulo nesse final de semana e promete quebrar tabus

Conheci o PopPorn no ano passado, entre um click e outro. Porém, a correria da vida me impediu de comparecer, mas a curiosidade para saber o que acontecia em 48h que reúne muita arte para pessoas com a mente aberta permaneceu. Isso porque o PopPorn fala da sexualidade tão abertamente quanto expõe vulvas no 2º andar da Trackertower, a casa de eventos mais underground de São Paulo. Mas foi só nesse ano, já em sua 4ª edição que eu pude participar do evento, e só para te dar um spoiler: hoje foi apenas a abertura e sai de lá sem palavras diante a experiência ímpar que tive.

Mas calma, vou explicar direitinho. Para acontecer, a organização do PopPorn optou pelo Catarse, uma ferramenta colaborativa onde consegue-se patrocínio para projetos, seja ele qual for. Com isso, os idealizadores estipulam um valor necessário para fazer acontecer e os interessados contribuem com quanto podem. A partir de então, recompensas são distribuídas, desde entrada para as exposições e palestras que acontecerão nesses dois dias, até workshops e vips nas festas interligadas ao festival. O sucesso do PP já é tão grande entre os paulistanos, que eles não só alcançaram, como ultrapassaram a meta.

Mas vamos ao que interessa? Ao chegar ao prédio da Trackers, fui recepcionada por uma figura exótica, porém muito interessante, que comandava quem entrava ou não. O lugar é bem grande, tem estrutura igual aos prédios antigos do centro velho de Sampa e é dividido em andares. No térreo, o público foi recebido para um coquetel antro-porno-fagico para comemorar a abertura. Entre músicas típicas de baladas, a DJ deixava soltar um funk e outro. Sim, funk. Dos mais safados. Por ali já era possível perceber a presença de um cenário e atores. Sem saber o que iria acontecer, fui conferir a exposição tão falada.

Continuar lendo “PopPorn tem abertura crua e visceral”

“Vá, ou arrepende-se”

1234045_626600340695849_1689633480_n

É como sempre dizem: antes tarde do que nunca! Na semana passada, na sexta (06), fui conferir de perto uma festa que há muito tempo estava louca para conhecer, Talco Bells. A Talco é para aqueles que gostam de Soul Music, ou para aqueles que, assim como eu topam qualquer parada, mesmo tendo o mínimo de conhecimento possível sobre esse tipo de música. Tirando esse detalhe a festa é realmente apaixonante e me conquistou de imediato.

Para começar com a mesma ladainha de sempre, ela é realizada no Cine Jóia, uns dos lugares que mais gosto de frequentar em São Paulo, o que já é um ponto positivo. Para aumentar ainda mais o meu amor, e espero que o amor de vocês também, o público é totalmente diferente dos lugares que sou acostumada a frequentar. De uns 25 anos para cima, o molejo deles estava bem mais afiado do que o meu, na verdade, se o meu conhecimento pela música é mínimo, imagina pelos passos? Apesar que eu arrisquei e fui rodopiada por uma música inteira, não sei como sobrevivi, mas prometi que iria treinar um pouco mais para a próxima festa 😉

1186237_626600357362514_482517005_n

O que achei bem interessante, é que conforme a noite ia passando, as meninas jogavam talco na pista (e nos seus pés) para que ela ficasse mais escorregadia e mais fácil para dançar. Por causa do dia 07 de Setembro, a festa era dedicada ao mestre do samba Soul, Cassiano, sendo assim teve várias músicas brasileiras e também, claro, músicas internacionais. Ninguém parou um minuto, a não ser eu e a minha amiga que estávamos só o pó, mas mesmo assim você percebe o quão diferente é frequentar festas assim, não só pelo o público ou pela música diferenciada, mas também pela energia que a festa transmite.

Garanto-lhes que o bordão da festa “vá, ou arrepende-se”, se encaixa exatamente naquilo que é transmitido. De fato, foi uma noite muito bacana, poderia ter sido mais proveitosa se eu não estivesse tão velha e tão cansada, e valeu a pena cada minuto. Se vocês gostam de música Soul vão se encaixar perfeitamente, caso não gostem, indico irem mesmo assim, é sempre bom conhecer lugares novos.

A festa acontece quinzenalmente no Cine Jóia e a próxima será no dia 20/09. O valor do ingresso custa R$25,00, para quem compra antecipadamente, ou R$35,00 para os que deixam de última hora e compram na porta.

1239695_626598140696069_646601678_n

1236982_626600470695836_223015483_n

1238758_626598380696045_926903949_n

1005514_626598147362735_866548190_n

As fotos estão na página oficial da Talco Bells!

É quase um lugar clandestino, mas foi só imaginação minha…

Tenho aproveitado bastante essas minhas férias, graças aos meus amigos que nasceram tudo no mesmo mês e querem aproveitar cada dia (vip) que o mês de Julho oferece. Na semana passada falei um pouco sobre a festa Indie Party, neste sábado que se passou, dia 21, fui frequentar um barzinho/baladinha muito bacana, o Alberta #3.

Alberta #3

Eu nunca ouvi falar sobre esse lugar, mas me encantei de imediato ao prestar atenção na entrada. Motivo? Me imaginei entrando num clube clandestino, uma luz vermelha iluminando o interior do lugar, as cortinas nas portas, um segurança mal encarado (que na verdade era bem simpático e educado) e a fachada “Alberta #3” escrita em letras chamativas e vermelhas. Mas para quem nunca foi e não prestou atenção na numeração o lugar passa despercebido. Acredito que o mistério é o que dá mais charme.

Alberta #3

O lugar tem três ambientes, quando você entra há várias mesinhas e um sofá comprido para aqueles que preferem conversar ao invés de dançar e um barzinho apertado no fundo. Subindo as escadas é do mesmo estilo só que um pouco mais espaçoso e lá embaixo fica a pista de dança que, confesso, não fiz muita questão de ficar lá, o ambiente de cima estava muito mais agradável para ficar batendo papo com os amigos.

alberta

Apesar de ser três ambiente a casa é pequena e acredito que 200 pessoas já excedem o “confortável”. O único ponto negativo que irei destacar é o fato de muitas coisas do cardápio não estarem disponíveis naquela noite em particular. Os preços não eram exorbitantes, como também não eram baratos, comprei um drink, “Cassandra”, por R$22,00, os chopps custavam entre R$10,00 (se me lembro bem), as doses variavam entre R$10,00 e R$20,00 e não me lembro o preço das cervejas. Por outro lado, o lugar ganhou mil pontos comigo por causa do banheiro, apesar de ser um banheiro unissex ele era (pasmem pessoal) limpo e cheiroso.  Acho que nunca encontrei um banheiro de balada/barzinho tão limpo como este, sem dúvidas ganhou pontos comigo. Como não fiquei nem por três segundos na pista de dança, não consigo dizer ao certo as músicas que eles tocaram, mas nas partes de cima o som era ambiente e predominava o rock.

Por fim, aconselho a vocês que gostam de um ambiente agradável pra colocar a conversa em dia com os amigos e se divertir ao mesmo tempo a dar uma passada no Alberta #3. Lá funciona assim: De terça a sábado a entrada é gratuita para o Happy Hour, das 19h às 22h. Depois desse horário começam as festas com cobrança de entrada, é só dar uma olhada na programação do site porque o preço varia de festa para a festa. Lembrando que quem já estiver na casa antes das 22h não paga entrada!

Todas as fotos postadas estão na página oficial do Alberta!

8º Festival de Cinema Latino-Americano

182457_565251056844083_1551790595_n

O Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo reuniu nessa última semana a programação de sua oitava edição em um panorama exemplar da produção audiovisual nos países da região. Esse ano o festival foi exibido nos seguintes centros culturais: Memorial, Cinemateca, Cinesesc, Sabesp e no Cinusp. Além de estreias, outros grandes nomes do cinema foram exibidos.

No sábado depois de ter ido almoçar no Takayama Sushi (meu queridinho da culinária japonesa), fui ao Memorial ver a pré-estreia de Éden. O lugar estava muito bonito, iluminado com luzes cor-de-rosa e por ali já circulavam algumas pessoas. Pegar o ingresso não foi difícil, não havia fila e tudo foi bem tranquilo. Antes de entrar no auditório, a protagonista do filme estava lá fora, super acessível, dando entrevistas e posando para fotos.

1016757_566436080058914_353661598_n

O filme conta a história de Karine, uma mulher de 30 anos, que está grávida de 8 meses. Tudo estaria perfeito, caso o seu marido não tivesse sido assassinado na comunidade em que moram no Rio de Janeiro. Ela e o irmão Wagner quase morrem de tristeza, com a falta do homem honesto que seria pai em breve. Eles são salvos pelo pastor Naldo, que comanda a igreja Evangélica do Éden. Para superar a falta do marido, ela se agarra à religião e ao nascimento do filho. As cenas são bem longas, mas o filme segue a linha poética. Assim como o aclamado Elenada diretora Petra Costa, os filmes nacionais ultimamente têm seguido esse caminho: longos silêncios, fotografia impecável e uma sonoplastia bem impactante. Diria que tem um quê de cinema francês.

O diretor Bruno Safadi discursou ao início da sessão e disse que a obra foi grava em apenas 2 semanas, o que me fez ficar mais encantada. O grade destaque de atuação, além da maravilhosa Leandra Leal que eu sempre admirei o trabalho, fica por conta de João Miguel que dá vida a Pastor Naldo. Ele nem de longe lembra o pacífico Gustavo de Era Uma Vez Eu, Verônica, que eu vi no começo desse ano.

Ao final da sessão o clima era de descontração no Memorial. Ali mesmo no Auditório rolou um coquetel, onde foram servidos cerveja, vodka e petiscos, além de contar com a discotecagem do cantor Tatá Aeroplano. A noite foi embalada por todos os tipos de músicas brasileiras e latinas, desde Chico Buarque a Céu, passando por Gipsy Kings e Otto. O ponto alto da festa foi quando o ex-integrante da Cérebro Eletrônico soltou Alegria, Alegria Caetano Veloso, um dos grandes marcos iniciais do movimento tropicalista. A galera dançou junto, sem preconceitos com ninguém em uma grande roda. Coisa linda de se ver.

O festival ainda rola hoje e amanhã e a programação pode ser acompanhada pelo site do evento: http://www.festlatinosp.com.br . Uma grande oportunidade de conferir grandes destaques do cinema totalmente na faixa!

17620_566452323390623_1168651100_n

1044447_566453876723801_1506055284_n

1002750_566453273390528_1373007977_n

1006274_566452536723935_1614785571_n

Fotos: Facebook 8º Festival de Cinema Latino-Americano.

 

Rockabilly Dancing Party

No próximo domingo teremos mais uma festa “Rockabilly Dancing Party”, para a galera toda se acabar no rock! Colocando os vinis para tocar sem dó! Neste fim de semana comemoraremos o aniversário do DJ Ailton! A festa disponibiliza um site para que possa ter mais informações, fotos e até vídeos!