WME Awards by Music2! anuncia shows e apresentadoras da premiação

Fotos-Duda-Beat-por-Ana-Alexandrino-1-780x405

Com um forte time de convidadas, o evento terá shows de Pitty, Céu, Duda Beat e muito mais, além de apresentação de Preta Gil, Fernanda Lima, Cleo Pires, entre outras convidadas que entregarão os prêmios para as vencedoras

O WME Awards by Music2 – primeiro prêmio totalmente dedicado às mulheres do universo musical – chega à sua 3a edição no dia 3 de dezembro, terça-feira, e será transmitido com exclusividade pelo canal TNT, a partir das 20h30. Já conhecida por seus shows, que misturam artistas e estilos bem diferentes, a premiação acaba de anunciar a lista dos shows que vão rolar durante as duas horas do evento.

Preta Gil é a apresentadora oficial da premiação, que também terá outros nomes de peso se revezando na entrega de prêmios. Estão confirmadas Majur, Duda Beat, Negra Li, Gaby Amarantos, Valesca, Tássia Reis, Maria Beraldo, Tiê, Fátima Pissara, Cleo Pires, As Bahias e a Cozinha Mineira, Lei Di Dai, MC Tha, Ana Thaís Matos, Lorena Calabria, Anelis Assumpção, Sarah Oliveira, Letrux, Lan Lanh, Mayra Maldijan, Florência Saraiva, Karina Buhr, Roberta Martinelli, Titi Muller, Taciana Barros, Fernanda Lima, Debora dos Falsetes, Paula Lima, Karol Conká, Mariana Aydar e Marina Lima.

Entre uma premiada e outra, haverão oito shows exclusivos. Conheça a lista completa dos shows da noite.

1º Show | Música – Noite Inteira | Artista: Pitty

2º Show | Não Sou Obrigada / Injeção / Ao Som de 150 | Artistas: Pocah, Deize Tigrona e MC Rebecca

3º Show (Homenagem Beth Carvalho) | Músicas: As Rosas Não Falam / Folhas Secas / Vou Festejar | Artistas: Luana Carvalho (filha de Beth), Nilze Carvalho, Mãeana

4º Show | Músicas: Sou Yabá / Coreto | Artistas: Luiza Lian e Céu

5º Show | Músicas: Resistência / Mãos Vermelhas | Artistas: Katu Mirim e Kaê Guajajara

6º Show | Música: Para, Pensa e Volta e Eliane. Artistas: Yasmin Santos e Luiza Sonza

7º Show | Música: Bixinho / Xanalá | Artista: Duda Beat e Gaby Amarantos

8º Show (Homenagem Gal Costa) | Músicas: Barato Total, Vaca Profana e Brasil | Artista: Ana Cañas, Preta Gil, Cleo, As Bahias e a Cozinha Mineira, Aíla, Xênia França.

NOVAS CATEGORIAS

Este ano, o evento ampliou criou novas categorias, que são as de Compositora e Escuta as Minas apresentada por Spotify. Além disso, aumentou também o número de apresentadoras e de shows e, pela primeira vez, será transmitido pelo TNT, o canal das premiações, com direito a tapete vermelho, comentaristas e um pacote comercial exclusivo de patrocínio.

A grande homenageada da noite será a cantora Gal Costa, que será celebrada ao longo do evento, que reserva diversas surpresas. A cada ano o WME Awards by Music2! escolhe uma grande artista para ser celebrada durante o evento. Este ano, a merecidíssima homenagem póstuma será para Beth Carvalho, uma das maiores sambistas do Brasil, falecida em abril deste ano, aos 72 anos.

Saiba o que os novos álbuns de Rael, Emicida, Drik Barbosa e Rincon Sapiência têm em comum

75210652_1713985535403948_3764782415424258048_o.jpg
Foto: Victor Balde

Os artistas contam todos os detalhes, segredos e inspirações por trás dos novos álbuns no Faixa a Faixa

Rael, Emicida, Drik Barbosa e Rincon Sapiência. O que eles têm em comum, além do rap? Ou, melhor, o que seus últimos discos têm em comum? A Deezer, plataforma de streaming global de música, convidou esses artistas para te contar.

Durante novembro, a Deezer criou o canal ‘Mês da Consciência Negra’, com conteúdo de artistas e produtores negros. Isso também inclui conteúdos exclusivos Deezer, como o Faixa a Faixa – playlist comentada pelos próprios artistas, onde eles contam todas as histórias, inspirações e segredos por trás de cada track.

A cada terça-feira é lançado um Faixa a Faixa e, o que os artistas falam, é um deleite para os ouvintes. O que une os quatro álbuns é a inspiração na cultura africana. Além disso, de certa forma, também se conectam ao levantar questões sociais.

O álbum ‘Mundo Manicongo: Dramas, Danças e Afroreps’, de Rincon Sapiência, será lançado na próxima segunda-feira (25) e o Faixa a Faixa no dia seguinte (26), mas já vamos dar um spoiler. O apelido do rapper (Manicongo) deu origem ao nome do álbum e à faixa introdutória: ‘Mundo Manicongo’ – a track inclusive tem versos bem livres, não tem muitas melodias, tem a linguagem do Emicida e as rimas bem presentes. Recheado de africanidades, afrobeats e afroraps, ele brinca no Faixa a Faixa que pegou diversas referências nacionais e internacionais – como músicas africanas e baianas, rap nacional e funk 150 bpm – e adicionou o ‘tempero’ de Manicongo.

No geral, o disco tem uma linguagem bem diferente do que já fez anteriormente, mas o verso livre ‘Primeiro Volante’ finaliza o disco de um jeito bem velho Rincon. Toda direção e produção musical foram feitas pelo próprio rapper e ele conta com algumas colaborações especiais nas tracks com Lellê, 3Duquesa, Audácia, ÀTTØØXXÁ, Rael, Gaab e Mano Brown.

Outro lançamento aconteceu nesta segunda-feira, 18. Drik Barbosa estreou seu primeiro álbum, que tem como título seu próprio nome. Com muito love song e uma mistura com pagode e energia baiana, seu disco fala, principalmente, sobre a mulher negra, a herança musical e a liberdade feminina. No seu Faixa a Faixa, Drik conta que a música ‘Liberdade’ foi um presente do Emicida e fala sobre como temos que mudar os pensamentos do machismo estrutural.

Em ‘Luz’, a mensagem segue forte. De acordo com Drik, “estamos passando, principalmente agora, por um momento muito tenso no país e no mundo. Falar em ser luz em momentos tão sombrios é muito importante. Precisamos dessa motivação e esperança de que carregamos coisas boas dentro de nós e vamos conseguir mudar as coisas ao sentir amor e se sentir abençoado e iluminado”.

E falando em bênçãos e amor, Rael vem com o disco ‘Capim Cidreira’. O nome do álbum se deu por conta de uma lembrança materna: sua avó era benzedeira e fazia muito chá de capim cidreira. O disco é calmo, tem uma pegada de música africana misturada com reggae music e prega o amor próprio e a “good vibes”. O estúdio que Rael reformou e gravou as músicas é carinhosamente chamado de “horta musical” porque é lá que ele semeia as ideias.

Rael conta no Faixa a Faixa que a música ‘Vendaval’ foi criada após um processo de depressão. Ali ele percebeu que precisava falar de amor: “O clima estava hostil na internet, ‘Vendaval’ nasceu da ideia de unir as pessoas globalmente – o que não tem acontecido. Estamos só nos afastando e eu não queria ser mais um poluindo e falando um monte de coisa. Decidi só falar de amor”.

Outro que compartilha da forma de pensar desses artistas é Emicida. Seu álbum ‘AmarElo’, lançado no final de outubro, deu o que falar: em tempos de ódio e intolerância, o rapper convida a população a parar de gritar e discutir, a ter mais empatia com o próximo, e assim ouvir mais.

A faixa introdutória ‘Silêncio’, criada em parceria com a Deezer, transmite exatamente isso. De acordo com o rapper, ‘Silêncio’ “surgiu da necessidade de construir e conectar todos nós enquanto seres humanos, para que a gente consiga se desconectar por alguns instantes e, se Deus quiser, depois desse momento, essas conexões que a gente conseguir estabelecer se mantenha, para que a gente se desconecte de tudo que é ruim e que nos separa. Que a gente se una pelo o que a gente tem em comum”.

“Estamos muito orgulhosos de trazer esse projeto tão especial e cheio de conteúdo original que enaltecem a música preta. Para o Faixa a Faixa, fizemos a curadoria de artistas que lançaram álbuns icônicos recentemente, que têm algo a dizer, com um questionamento social, e que têm a cultura negra muito forte em suas composições”, afirma Gabriel Lupi, Head de Conteúdo da Deezer no Brasil.

Outros conteúdos originais estão disponíveis no canal exclusivo da Consciência Negra.

Festival S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L! divulga a programação da edição 2020

unnamed (1)

De volta ao período carnavalesco, um dos principais festivais de Minas Gerais reúne nomes como Emicida, BaianaSystem, Duda Beat e Liniker e os Caramelows na Esplanada do Mineirão

De BaianaSystem a Chico César, a programação musical do S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L! não vai deixar ninguém ficar parado. Além da banda baiana e do músico paraibano, o público vai desfrutar de mais de 30 atrações, divididas em três palcos, tendas e chão. As 12 horas de programação contam com shows de artistas como Duda Beat com participação de Gaby Amarantos, Emicida, Liniker e os Caramelows convida Johnny Hooker, Nação Zumbi, Elba Ramalho convida Chico César, Hot e Oreia e Rosa Neon. A oitava edição do festival será realizada na Esplanada do Mineirão, no dia 8 de fevereiro, marcando o início do período carnavalesco de 2020. Os ingressos custam a partir de R$25 e podem ser adquiridos no site sympla.com.br/festivalsensacional.

Além dos dois palcos principais, o S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L! vai contar com o Palco Chacoalha, que apresenta artistas menos conhecidos do grande público, mas com grande potencial para crescer. A intenção é ser também um espaço de divulgação de artistas locais. Entre as atrações, estão confirmadas até o momento: Pequena Morte, Fenda, Nath Rodrigues e Biltre (RJ).

Espalhadas ao longo da Esplanada para divertir o público no caminho entre os palcos, estarão as fanfarras Babadan Banda de Rua, Sagrada Profana, Magnólia, Unidos do Samba Queixinho e G.R.E.S. Cidade Jardim. Fãs de música jamaicana e de música eletrônica também terão seu espaço, nas tendas com o soundsystem Deska e com o coletivo de DJs Masterplano. E não termina por aí: mais artistas serão divulgados ao longo das próximas semanas.

Continuar lendo “Festival S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L! divulga a programação da edição 2020”

Spotify lança playlist “Seus Podcasts do Dia”, com seus próximos podcasts favoritos

UMCW
Um Milkshake Chamado Wanda – Créditos: Instagram

Então o usuário acabou de dar o play em seu podcast favorito: escutou, se atualizou, se divertiu e já está bem informado. Agora terá que esperar uma semana inteirinha até o próximo episódio… E agora? Com tantos ótimos podcasts no Spotify, pode ser difícil saber o que ouvir em seguida. Mas graças à nossa playlist personalizada mais recente, agora está mais fácil do que nunca.

O Spotify transformou a descoberta de músicas em playlists com Descobertas da Semana Daily Mix . E agora criamos Seus Podcasts do Dia, nossa primeira playlist diária personalizada de podcast, que oferece aos usuários uma maneira fácil de descobrir novos programas, além de te manter atualizado com os seus podcasts favoritos. Se o usuário ouviu pelo menos quatro podcasts nos últimos 90 dias, encontrará a playlist na prateleira “Seus Podcasts Mais Escutados” na página inicial ou no hub “Feito Para Você” na navegação.

Continuar lendo “Spotify lança playlist “Seus Podcasts do Dia”, com seus próximos podcasts favoritos”

Brega-funk cresce 145% em 2019 no Brasil

csm_mcloma_57da70252e-768x478.jpg
MC Loma e as Gêmeas Lacração

Mais uma vez uma mistura de ritmos – que nós brasileiros fazemos muito bem – está ganhando o Brasil. Não é à toa que o hit Surtada , de Dadá Boladão, Tati Zaqui e OIK, chegou ao topo da parada de mais tocadas do Spotify no país no mês passado, assim como aconteceu com Envolvimento , de MC Loma e As Gêmeas da Lacração, em 2018, e Hit Contagiante , de Felipe Original, ainda neste ano. Então, pra você não se lascar, o Spotify preparou o documentário MPB Brega-Funk , o segundo do projeto Música Pelo Brasil (MPB), desta vez contando a história do brega-funk e suas origens recifenses.

O documentário, com direção de Felipe Larozza e apresentação do jornalista GG Albuquerque, explora a evolução desse verdadeiro ritmo contagiante e da cena no Brasil. As gravações aconteceram em Recife, onde o brega-funk nasceu, e passa também por São Paulo, com entrevistas exclusivas com alguns dos maiores nomes dessa cena, como o próprio Dadá Boladão, com 3 milhões de ouvintes mensais no Spotify e dono de um dos maiores hits no Spotify, Shevchenko & Elloco, MC Loma e as Gêmeas Lacração, MC Troia, A Tropa, MC Lia e Magnatas do Passinho SA, entre outros.

“A história do brega-funk é a história da cultura de sobrevivência dos Mcs do Recife. O movimento reuniu elementos de diferentes cenas musicais da periferia do Brasil em uma batida eletrônica original e inovadora. Um som que mudou a identidade e o imaginário cultural de Pernambuco e Nordeste”, diz GG Albuquerque, pesquisador de músicas periféricas e curador do documentário produzido pelo Spotify.

O material aborda o brega-funk num contexto geográfico, musical e social, mostrando como o gênero ajudou a moldar o cenário cultural de Recife. “Brega-funk é um lifestyle, tem tirado muita gente da criminalidade, principalmente a galera que dança passinho. Quando surgiu o passinho Shevchenko tudo mudou. A galera que dança passinho saiu do tráfico, da bandidagem, saiu do vácuo mesmo”, destaca MC Draak, da galera do É A TROPA.

Neste contexto, o documentário traz também dados de consumo proprietários do estilo no Spotify, que ajudam a entender sua popularização com base em números reais de streams. “Eu to achando muito massa e agradecendo muito a Deus por estarmos chegando em locais que diziam que a gente não ia chegar e a gente vem hoje rompendo as barreiras”, completa MC Troia, que tem total apoio de outra entrevistada do documentário, a MC Lia. “A válvula de escape das comunidades do Recife hoje em dia é o brega-funk. O brega-funk vai dominar o mundo. Se o mundo não terminar em guerra ele termina em brega-funk, disso eu sei.”, conclui a cantora.

“A cultura acontece no Spotify. Esse ano, o brega-funk chegou ao topo do charts Brasil na plataforma, assim como tem acontecido com o sertanejo e o funk em geral desde que o Spotify chegou ao país, em 2014. Quando esse tipo de fenômeno cultural, essa junção de ritmos acontece localmente – neste caso o brega-funk – ele se reflete na música que ouvimos no Spotify. Por isso, por meio da cultura local e musical, o Spotify consegue conectar artistas e fãs de uma maneira que antes não era possível, construindo uma comunidade de descoberta e inspiração mútuas, expandindo esse fenômeno para todo país”, diz Roberta Pate, diretora de relacionamento com artistas e gravadoras do Spotify na América Latina.

Continuar lendo “Brega-funk cresce 145% em 2019 no Brasil”

Barbara Ohana lança EP “Looking For A New Place To Begin – Oficial Soundtrack”

 Inspirado em uma narrativa fictícia feita em parceria com a marca Another Place, o EP é a trilha sonora da audiovisual collection apresentada no desfile da marca na recente edição da SPFW que contou com o protagonismo do ator Johnny Massaro na interpretação de três faixas inéditas 

LFNPTB_BO_CAPA.jpg

Após o lançamento do videoclipe “Chains” na última sexta-feira (25), o retorno autoral de Barbara Ohana depois de três anos produzindo e compondo para outros artistas é marcado pelo EP “Looking For A New Place To Begin”. Com seis faixas – sendo três inéditas – o público conferiu uma prévia do EP durante o desfile da marca Another Place na SPFW, quando quatro canções foram exibidas, unindo música, moda e audiovisual.

Na produção que nasceu para ser uma audiovisual collection, Massaro vive a pele de um alter-ego, um rockstar que dubla a voz intensa dela no palco e, vive momentos de angústia, culpa, confusão e frustração. Todo guiado pelo personagem, a primeira faixa “No Tomorrow” conta sobre sua solidão e seu mergulho em desejos que soam assustadores. Na letra, “I’ll leave tomorrow, beat tomorrow, but it’s now or never”, como uma criança com o dedo na boca, ele ainda está aprendendo a esquecer suas dores e vê o dia cair assistindo suas fantasias.

Continuar lendo “Barbara Ohana lança EP “Looking For A New Place To Begin – Oficial Soundtrack””

Agenda da semana: shows e teatro em São Paulo

8de70fc93db212e58f0a477a1791c951
Foto: Divulgação

Para os apaixonados por festivais e música, neste sábado (02/11), a partir das 12h, rola a quarta edição do Sons da Rua. Consagrado como o maior festival de hip hop da América Latina, o evento ocorre na Arena Corinthians e apresenta mais de 20 atrações, entre elas, Criolo, Karol Conka, Djonga e Rincon Sapiência. Falei mais do evento aqui. Ingressos: de R$ 25 a R$ 90.

conexoes-01

A partir do sábado (02/11), o tradicional Cultura Inglesa Musical fez uma releitura do primeiro musical encenado pelo grupo. “Oh, Verona!”, escrito por Anthony Twistleton e baseado nas obras de William Shakespeare e Carlo Goldoni, conta a história de Zanetto e Tonino, irmãos gêmeos que amam, respectivamente, Rosaura e Beatrice. Separados há anos, os dois se encontram em Verona, cada um a procura de sua amada. Porém, as duas donzelas já têm outros pretendentes: o velho Pancrazio e Lelio, nobre primo de Rosaura.

O espetáculo ocorre até o dia 17 de novembro, sempre às sextas (20h30), sábados (16h e 20h30) e aos domingos (19h), no Teatro Cultura Inglesa (Rua Deputado Lacerda Franco, 333, Pinheiros) com ingressos gratuitos que devem ser retirados com 1 hora de antecedência na bilheteria do local.

365-filmes-projecao-filme-auditorio-ibirapuera-mostra-cinema-sao-paulo

Também no sábado (2/11), acontece um dos eventos mais aguardados pelo público da Mostra: a projeção ao ar livre, na área externa do Auditório Ibirapuera. Todos os anos rola um clássico do cinema com acompanhamento musical ao vivo. Nesta edição do evento, a obra escolhida para a sessão especial foi O Gabinete do Dr. Caligari, filme centenário de Robert Wiene, importante diretor do cinema alemão.

O filme de 1919 é considerado o marco zero e uma das obras-primas do expressionismo alemão no cinema -movimento artístico que distorcia os contornos da realidade, levando um olhar mais surreal e alterado para suas obras. Ingressos: Gratuito.

Continuar lendo “Agenda da semana: shows e teatro em São Paulo”