Dez clipes nacionais recém-lançados que você ainda não viu

músicanacional

O mundo da música é mesmo incrível, todos os dias temos materiais diferentes e novos para serem ouvidos e apreciados. Mas a verdade é que, com a rotina corrida, às vezes fica difícil acompanhar tudo o que rolou. Por isso, reuni aqui dez clipes de bandas nacionais que saíram nos últimos dias para vocês conferirem. Me diz qual gostou mais depois, hein?

Quem vai aos shows da Francisco, El Hombre sabe que um dos dons da banda é fazer a plateia dançar sem pudores do começo ao fim da apresentação. Nem mesmo uma música sobre a tristeza é capaz de interromper a catarse do grupo ao vivo. Prova disso é a faixa “Sincero”, que acaba de ganhar uma nova versão (muito mais bailante, pode-se dizer). Com ela, um registro ao vivo da canção, que integra o disco SOLTASBRUXA (2016). A performance ao vivo foi gravada pela Alfaia Filmes no estúdio Nimbus, em São Paulo, sob direção de Matheus Tibira e Renan Lazari. A maquiagem da artista Alma Negrot ajuda a transformar a live session de “sincero” e vem engrossar a rica produção audiovisual da banda, que lançou vídeos para “Calor da Rua”, “Triste, Louca ou Má” e “Como Una Flor”.

Em parceria com Chico Cesar, Bruna Caram lança o material audiovisual para “Par”, canção brejeira que conta a cronologia de um amor que dura a vida inteira. Com direção de Iury Pinto, editor da minissérie “Dois Irmãos”, e produzido pela Asas Realizações, o vídeo mostra um casal de amigos de infância que depois de muitos anos se reencontram num bloco de Carnaval. Bruna conheceu o diretor quando gravava a minissérie global e as primeiras ideias para o videoclipe surgiram durante a festa do primeiro capítulo de Dois Irmãos. “Foi o combinado zonzo de fim-de-festa que mais deu certo na minha vida!” ri a cantatriz, que contou com a colaboração de outros amigos da equipe do folhetim.

O vídeo de “Justo Eu”, da banda brasiliense Lupa, alterna imagens dos músicos tocando com cenas bem-humoradas que brincam com o senso comum de expressões relacionadas ao sexo como “descabelar o palhaço” (literalmente) e “molhar o biscoito” – no leite, no caso. A ideia principal é trazer a naturalidade de volta ao tema tratado em sua maioria como tabu. “Nós crescemos aprendendo a ter vergonha dos nossos corpos e do que nos dá prazer. No clipe a gente escolheu falar sobre um dos poucos momentos em que nós somos honestos com nós mesmos”, explica o vocalista Múcio.

Após uma apresentação beneficente  na  Praia do Titanzinho, localizada no bairro Cais do Porto, em Fortaleza,  a banda Selvagens à Procura de Lei recebeu um vídeo de crianças que participam das atividades do Instituto Povo do Mar (IPOM) cantando “Guetos Urbanos”. A iniciativa desta organização sem fins lucrativos – projetada para fornecer oportunidades de educação, cultura, artes, esportes, tecnologia e cidadania para jovens da comunidade – foi o mote para que o grupo elegesse a comunidade Serviluz como cenário do clipe desta canção. Oitava faixa do disco “Praieiro” (2016), a música trata da realidade dos subúrbios brasileiros em situação de vulnerabilidade social, e traz na letra uma mensagem de luta e superação. Com direção de Markos Montenegro, o video levou dois dias para ser gravado, revelando a rotina dos moradores do Titanzinho, que também participam do clipe.

Baseada nos recentes acontecimentos políticos do país e do mundo, “Fora” foi gravada em uma Session Ao Vivo no Inhamestúdio por Neiva e sua banda, formada por Marcelo Trengrouse (na bateria), Victor Oliver (na guitarra) e Marcos Thanus (no baixo). O video foge ao comum das diversas sessions que encontramos pelo YouTube com bandas e artistas independentes, além da performance ao vivo e uma versão exclusiva de uma música inédita, o vídeo mescla imagens, aleatórias/psicodélicas e explosivas, prendendo a atenção de quem assiste.

Carregada de questões mundanas e a constante busca pelo autoconhecimento, a Circo Litoral, após lançar o álbum de estreia intitulado “Além do Mar”, resolveu dar uma representação visual para a música título deste trabalho, que teve a produção assinada por Thiago Ribeiro (Toco y me voy) e Dieguito Reis (Vivendo do Ócio). Com influências da nova cena que mescla rap com música popular brasileira, a faixa aposta em referências como Criolo, Síntese e Inquérito. No clipe, dirigido por Mário Neto, há uma metáfora que compara o mar com experiências já vividas, mostrando que, depois de muito navegar, o verdadeiro “eu” é, enfim, encontrado. Todas as imagens foram gravadas na Praia da Ribeira, localizada na Cidade Baixa, Salvador (BA), onde vive a maioria dos integrantes do grupo.

A banda Souto, de Salvador, acaba de lançar videoclipe para a faixa “Morena da Barra”. Dirigido e roteirizado por Luan Andrade, da produtora Bulb, em parceria com os próprios integrantes do trio, as imagens foram totalmente gravadas na capital baiana, utilizando a sala de um apartamento e uma locação que funcionou como palco para os músicos entrarem em cena. O single, produzido por Marcelo Seko, do Baiana System, é um retrato sobre amor, companheirismo e realização. “Quando estamos apaixonados, não tem jeito, rola aquela entrega de corpo e alma, sabe? A gente quis que esse som fosse um pouco desse momento. A busca pela plenitude do ser. A vontade de conhecer infinitas paisagens ao lado de quem amamos”, comentam. Com um som dançante, distorções rasgadas e teclados que criam uma conexão com o rap, a banda Souto é formada por Vini Soares (Vocal/Guitarra), Felipe Oliveira (Baixo) e Deco Nunes (Teclado/Synths).

Entre 2013 e 2016, Zé Vito e Chica estiveram separados – ela em Ribeirão Preto, ele no Rio de Janeiro. A saudade bateu fundo na cadela, que, com a soma da idade, estava muito debilitada em uma das visitas do cantor à casa dos pais, no interior paulista. A decisão de levá-la embora junto foi instantânea e a reaproximação foi o mote para a letra de “Chica Velha”. A canção é executada por Pedro Costa (bandolim) e Ricardo Rito (sanfona), dois d’Os Lúpulos, além de Zé Vito no violão de nylon e na guitarra, é o segundo videoclipe de “Espelho”, primeiro disco da formação Zé Vito & Os Lúpulos.

Trechos dos melhores e mais difundidos vídeos de gatinho da internet foram compilados e se tornaram o novo videoclipe da banda Aeromoças e Tenistas Russas. A melodia chiclete do grupo instrumental foi transformada em lyric video, com onomatopeias que dão conta dos sons da guitarra, sintetizador, bateria eletrônica e o resultado é “Russian Cat Party”. A curadoria das fofurices da web foi feita pela ATR e pela produtora Espiral. A edição do material é de Gustavo Palma, tecladista da banda.

Com direito a um carro em chamas e policiais de mentira, o roteiro de “Não Deixa Acabar a Gasolina” dos paranaenses Médicos de Cuba, foi proposto pelo vocalista Wagner Prochno, em parceria com os demais integrantes da banda. Filmado pelas ruas de Curitiba e Araucária (PR), trabalho tenta aproximar-se da rotina diária dos artistas: “Nós decidimos gravar perto de onde moramos e em lugares que costumamos circular. Queríamos deixar esse trabalho bastante pessoal”, explicam. Em um retrato sobre drogas, diversão e overdose, “Não Deixe Acabar a Gasolina” é o segundo lançamento audiovisual do álbum homônimo do grupo, lançado em 2016.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s