Doidas e Santas

Download-Doidas-e-Santas-Martha-Medeiros-em-epub-mobi-e-pdf-370x558

No meu aniversário de 23 anos, ganhei o livro “Feliz Por Nada” da autora Martha Medeiros. No ano seguinte, quando completei 24 primaveras, outra pessoa do meu círculo de amigos me presenteou com outro título da mesma autora. Foi então que eu pensei: “Epa, parece que meus amigos acham que eu tenho um perfil bem parecido com o dessa autora, não é mesmo?”. Porém, a grande verdade é que foi só no mês em que assoprei 25 velinhas, coloquei como meta “Doidas e Santas” na minha lista de leitura. A capa me chamou atenção de cara e eu não resisti. A experiência foi um tanto decepcionante, mas adianto que grande parte dessa culpa é por conta da expectativa que depositei nesse título. Portanto, não foi um tempo perdido da minha vida e eu explico o porque.

É SOBRE O QUÊ?

Assim como outros livros da autora, “Doidas e Santas” é um compilado de crônicas que Medeiros publicou durante sua carreira. Aqui é possível encontrar textos que fizeram parte de suas colunas dominicais nos jornais Zero Hora, de Porto Alegre e O Globo, no Rio de Janeiro, entre os anos de 2005 e 2008. Através de textos cotidianos, Martha discorre sobre sua vida, faz resenhas culturais, dá pitacos sobre política e faz um retrato sobre o quadro econômico da época. Sempre em um tom de conversa com o leitor, fato que faz com que a leitura flua de forma leve e rápida.

EU GOSTEI…

Se você acompanha esse blog há um tempo, sabe que o assunto principal dele são as minhas vivências e dos meus amigos nesse mundo de arte e cultura. Portanto, me interessei muito com o modo que Martha tem de atrelar seu cotidiano com um filme que viu, uma peça que apreciou ou mesmo um show que compareceu. Pra mim, foi algo totalmente diferente do que faço aqui nessa plataforma e me inspirou para uma nova linguagem que pode ser explorada no Canal, por exemplo, em forma de vlogs. Outro ponto que vale a pena ressaltar é que quando eu julguei a obra pela capa – linda, por sinal – jurei que seriam abordados temas femininos e até mesmo um feminismo mais tímido, quem sabe. Me enganei, em certos pontos, é verdade. Porém, é possível perceber alguns pensamentos libertários de Martha, como por exemplo, quando aborda o tema de amor livre e como são hipócritas os casais que mantém uma vida “monogâmica”, mas que fazem da traição um hábito. Não seria muito melhor viver em transparência e sinceridade?

EU NÃO CURTI…

Como disse no comecinho desse texto, o meu grande erro foi ir com grande sede ao pote. Por nunca ter lido nada jornalista, jurei que iria me identificar em todos os pontos. Porém, isso não aconteceu. E acho que o problema foi justamente esse. Não houve uma identificação com a autora, no sentido econômico e social mesmo. Por mais Martha deixasse claro seu lado mais esquerda na visão política, vira e mexe falava da empregada e de vários fatos da classe média alta brasileira. Em alguns momentos parecia que estava lendo “as aventuras da pobre garota rica”, sabe? Mas talvez essa seja apenas a percepção de uma capricorniana totalmente problematizadora. Ou seja, não é um fato que exclui totalmente a obra.

VOCÊ VAI GOSTAR SE…

Busca uma leitura leve. Esse livro se faz a opção perfeita para quando bate a tão famigerada ressaca literária. Depois de ler muitos títulos ou mesmo ter mergulhado em um texto mais denso. Esse também é um prato cheio para quem gosta de crônicas, textos cotidianos e que abordem diversos temas. Outro ponto a se prestar atenção são os diversos artistas que Martha Medeiros apresenta ao longo do texto. Grande parte das marcações que fiz no meu exemplar, foram de livros, filmes e músicas que irei buscar.

SOBRE O AUTOR…

Martha Medeiros tem 54 anos, é escritora e jornalista, nasceu e mora em Porto Alegre. Atualmente, ela ainda mantem suas colunas no Globo e no Zero Hora. Publicou o total de 28 livros, sendo a maioria deles de crônicas e poesia, mas sua bibliografia também conta com romances, um guia de viagem e até um livro infantil. A primeira obra de Martha foi Strip-Tease (1985) e última é Simples Assim (2015), no entanto, “Doidas e Santas” (2008) é considerado o magnum opus de sua carreira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s